Análise Fuser

Release Date
10/11/2020
Desenvolvido por
Harmonix Music Systems
Publicado por
NCSOFT

Algumas coisas da vida, você só percebe com a maturidade. Durante parte da minha adolescência e adulto eu fui um roqueiro de carteirinha, sim, daqueles de achar que nenhum outro estilo musical presta, e que músicos roqueiros estão em um patamar acima de qualquer outro tipo de músico (talvez respeitasse os caras da música clássica, do Jazz e Blues, e só).

Bom, com o tempo, passei a escutar outros gêneros e como sempre fui meio vidrado com música, passei também a conhecer um pouco mais do trabalho e da forma de criar de outros artistas da música, e o que eu percebi é que eu estava redondamente enganado, e sim, existe muito talento e muita técnica em músicos de todas as vertentes musicais, inclusive na música eletrônica, tema dessa análise que vos trago agora.

Já vi essa interface em algum lugar…

 

O Guitar Hero das raves

Primeiramente, é bom saber que Fuse é um game desenvolvido pela Harmonix, as mesmas mentes criativas de Guitar Hero, só que dessa vez, a guitarra deu lugar as mesas controladoras específicas para mixagens para música eletrônica, ainda sim é possível ver o DNA desses caras em todo o jogo, seja no seu modelo progressão de fases, na utilização de cores para determinar suas ações ou mesmo no clima do jogo, uma referência nostálgica dos tempos brilhantes do Guitar Hero.

Bom, se no jogo de guitarras sua missão era apenas apertar os botões do seu instrumento de plástico na sequência certa, aqui a coisa muda bastante de figura. Fuse é totalmente jogado no controle convencional, ou seja, tiveram que condensar todos os recursos de uma mesa controladora de DJ em uma interface visual, isso significa que você vai ter que desbravar todos os recursos da sua mesa usando apenas seu joystick. Essa missão é desafiadora, e é de grande ajuda a campanha do jogo, que introduz lentamente todos os recursos em seus seis palcos de apresentação, começando com a inclusão de discos básicos no começo, até colocar nas suas mãos instrumentos mais sofisticados, como bateria eletrônica, controles específicos sobre as músicas e modificação de entonações.

Achei legal no jogo a distribuição de sua mesa controladora, com quatro discos nas cores do botão do seu Xbox, é possível depois de uma certa prática atribuir trocas de músicas e misturas de batidas em poucos toque. Lembrando que a dinâmica aqui é diferente do Guitar Hero, com linhas de intervalo de som bem definidas, é preciso muito mais ritmo e timing do que reflexos rápidos.

Durante as seções é preciso ficar atento com os pedidos dos fãs, que pedem músicas ou batidas específicas, e agradar seu público te rende pontos e sobe seu medidor de sucesso, sim, aquele medidor em formato de termômetro parecido com o que tinhamos em Guitar Hero.

Cenário bonitinhos podem ter uma plateia exigente.

Muitos hits

Em um jogo musical, uma das coisas mais importantes, além de toda a mecânica, é seu repertório, e a Harmonix não brincou em serviço, trazendo um repertório bem completo com músicas de estilo e décadas variadas. De clássicos absolutos como “Take on Me” e “Never Gonna Give You Up“, passando por imortais do rock como The Clash e Megadeath, o jogo também trás um repertório recheado de músicas eletrônicas clássicas, de vertentes da Dance Music até músicas atuais de Djs consagrados do trance e psy, além de outros estilos como Pop, R&B e Hip Hop. A versão padrão do jogo conta com um repertório com mais de 100 de músicas, podendo ainda ser expandido através de DLC´s, como na VIP edition.

Muito e muitosa HITS te esperam

Jogue como quiser

Além de ser uma experiência divertida e complexa, Fuser é um game bastante acessível, seus modos de jogo, além do modo carreira mencionado, que permite desbloquear roupas, efeitos e acessório, temos também um modo livre, onde é possível montar seu set como bem entender, e também desabilitar a desaprovação da galera, o que dá ao Fuser um recurso extra pra usar além dos videogames, que é a possibilidade de fazer uma festa na sua casa com seus hits favoritos 🙂

O jogo também conta com um modo online, onde é possível fazer batalhas de DJ com outros jogadores.

Não é carnaval, mas a alegoria tá caprichada

Faltou LSD

Fuser é uma experiência bem auditiva, mas enquanto aos gráficos? Pois bem, o jogo não é tão ousado nisso. Com palcos bem grandes e desenhados, e personagens com padronização cartoon semelhante a outros jogos da produtora, o charme mesmo termina aí. O jogo é pouco ousado e trás gráficos apenas adequados. Eu esperava um pouco mais, principalmente fases no modo campanha mais criativas visualmente. Deixando claro, não me entendam mal, os palcos são muito bonitos, cheio de luzes, cores, parecem até carros alegóricos, ainda sim não enche os olhos, a movimentação dos Djs é meio dura e limitada, e tudo me soa meio 2010 demais.

A plateia lembra muito a do Guitar Hero, a diferença é fica na quantidade de pessoas, que agora é muito maior, abusando mais do poder dos consoles atuais.

Aperta o play DJ

No geral Fuser é uma experiência bem satisfatória, ele se sai muito melhor que outros jogos que tentaram recriar a sensação das pick-ups, o segredo por trás disso é não trazer desta vez acessórios mirabolantes e caros e apostar em uma interface com o controle (ou teclado) mais consistentes.

A grande quantidade de músicas, a liberdade criativa e a boa curva de aprendizado e complexidade fazem de Fuse uma experiência bem divertida, mesmo que não seja um divisor de águas como Guitar Hero, o jogo pode ganhar o coração de fãs de música eletrônica e também de jogadores que queiram uma experiência casual diferente.

Análise Fuser
Conclusão
Fuser é um divertido jogo musical, uma experiência divertida que não deve alcançar a relevância que a franquia Guitar Hero teve em seu lançamento, mas que pode proporcionar horas de diversão casual e também agradar profissionais do ramo.
Gráficos
6
Som
9
Jogabilidade
7
Diversão
7
Prós
É divertido ser DJ
Mecânicas acessíveis mas com alto nível de complexidade
Muitas músicas legais, mesmo no pacote inicial
Contras
Gráficos poderiam ser melhores
DLCs são caras
7.5
BOM
Compra aqui e ajude o Xboxmania

Leia Mais
Anthem 2.0: Detalhes da jogabilidade, árvore de habilidades e artefatos são revelados