O ciclo prazeroso de Dead Cells

Última atualização:
DESENVOLVEDOR
Motion Twin
DISPONÍVEL

Se jogos de plataforma te chamam atenção, você realmente deveria dar uma chance para Dead Cells, pois é um jogo que mescla metroidvania com roguelike numa mecânica muito bem aplicada. Vem comigo e conheça um pouco mais desse excelente game nas próximas linhas.

Dead Cells é mais um jogo indie que ganhou notoriedade nas comunidades de videogames. Desenvolvido pela Motion Twin e lançado em 2017, o jogo mostrou ser muito promissor, fato este que levou o título a receber o prêmio de melhor jogo de ação em 2018. O fardo é grande, mas o que a desenvolvedora conseguiu produzir foi um jogo que desafiava e ao mesmo tempo conversava com o jogador de alguma maneira, trazendo o mesmo a visitar por diversas e diversas vezes o mesmo mapa e suas variações.

Entrando no jogo pela primeira vez, você se depara com uma forma de vida que se rasteja pelos escombros a procura de um cadáver. A jornada se inicia com diversas perguntas e com um ambiente em que você não entende porque está inserido. Os diálogos são poucos, bem específicos, e tentam gerar uma reflexão sobre o que você representa naquele universo. A partir deste ponto, o jogo começa de fato.

Você deve selecionar a primeira arma e partir para a exploração, o jogo não te mostra o caminho, e as criaturas podem te matar em meros deslizes. Porém, quando você destrói algumas criaturas elas deixam cair células, que são a chave para progredir no jogo.

Itens e mais itens para coletar…

Dead Cells é um jogo de ciclos, você nasce, vai à luta, morre e renasce. Mais forte, mais inteligente, e com mais cede de vitória. A mecânica por trás do ciclo é muito promissora, e se mostra ativa desde o começo da campanha, a cada ciclo (jogada) você terá a possibilidade de criar uma nova combinação de armas, testá-las e entender um pouco mais sobre os inimigos, que são diversos e bem diferentes um dos outros. Cada mapa possuí criaturas e perigos específicos.

O combate e o manuseio das armas têm uma fluidez muito interessante, os inimigos tem uma inteligência bacana, e saber se esquivar dos ataques é de suma importância. Afinal, você terá que lidar com a morte constantemente, se acostume.

Outro ponto que não pode ficar de fora são os quesitos técnicos, o jogo trabalha com gráficos de pixel art 2D, mesclando com elementos 3D, é simples, bonito e funciona muito bem. As trilhas e os efeitos de som também têm um prestígio, o que acaba elevando a experiência do jogador com o jogo.

Se você gosta de desafios, combate fluido e uma gama enorme de itens e builds, certamente Dead Cells deve estar na sua biblioteca. E para os aventureiros de primeira viagem, uma boa sorte e uma carga a mais de paciência, você precisará.

Atualmente Dead Cells possui duas DLCs, Rise of The Giant (2019), e The Bad Seed (2020). O conteúdo traz novas áreas, itens e novos chefes para aumentar o tempo de jogatina.

O jogo se encontra na biblioteca do Game Pass, no PC e Xbox One.  Outras plataformas que possuem o jogo: Android, Nintendo Switch, PlayStation 4, Linux e Mac OS.

Leia Mais
DLC de Trine 4 é anunciada